O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) concedeu LP (Licença Prévia) à empresa Terminal Portuário O Melhor Itajaí S/A. para o desenvolvimento de estudos na área onde será construído o porto que terá como principal objetivo o atendimento ao Polo Industrial de Manaus (PIM). O empreendimento terá dimensão de mais de 1,6 milhão de hectares e será construído na comunidade O Melhor Itajaí, em Itacoatiara (distante 270 quilômetros da sede do município e próximo a Manaus).

Segundo a assessoria de comunicação do Ipaam, a Licença Prévia permite somente a realização de estudos no local pretenso à construção do empreendimento. O órgão enfatizou que nesta etapa do processo de licenciamento não há permissão para o início das obras. O Instituto ainda informou que não há previsão para a emissão do licenciamento ambiental, mas que o assunto está em análise. A LP terá validade até o dia 15 de dezembro deste ano.

Para o presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, a construção de uma estrutura portuária na comunidade O Melhor Itajaí é benéfica para o Estado. Périco define o empreendimento como uma alternativa excelente para o desenvolvimento daquela região e consequentemente para o Amazonas.

Com relação ao escoamento de produtos fabricados no PIM, Périco considera que o porto poderá sim servir ao parque industrial. Porém, ele ressalta que quanto ao escoamento de produtos do PIM é preciso analisar as condições de trafegabilidade da rodovia AM-010, que precisa de recapeamento. “Independente de servir ou não o PIM considero que o porto será um outro canal para o escoamento assim como a entrada de produtos no Estado”, disse. “Vejo a alternativa com bons olhos porque possibilitará o desenvolvimento à cidade. É uma alternativa excelente”, completa.

O primeiro tesoureiro da Federação das Empresas de Logística, Transportes e Agenciamento de Cargas da Amazônia (Fetramaz) e secretário do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga do Amazonas (Setcam), Raimundo Augusto, vê o projeto da construção do porto em O Melhor Itajaí com bons olhos. Mas, ele também relata a preocupação quanto ao sistema logístico em decorrência das condições asfálticas da estrada.

De acordo com Araújo, o principal polo produtor e exportador de produtos se concentra em Manaus e para a inserção de um outro polo é necessário haver a estruturação, no caso, a duplicação e a compactação da rodovia. “Vejo o novo porto com bons olhos. Porém, concomitantemente precisamos pensar em questões como o alargamento da estrada. Para que o porto funcione é necessário haver o modal rodoviário. Mas com certeza a estrutura portuária será contribuinte com o escoamento e a recepção de produtos”, comenta. “É um assunto que precisa ser discutido junto aos órgãos envolvidos e os representantes das indústrias”, completa.

IPAAM